UM GAJO QUE, ASSIM A MODOS QUE… por Márcio Candoso

Nota introdutória: O Márcio Candoso é um Jornalista e escritor, daqueles a sério. Acho que hoje mais do que nunca todos nós entendemos o que isso quer dizer. Protector da palavra, que usa com rigor e de uma forma acutilante, sempre esteve habituado sobretudo aos artigos económicos, políticos e sociais, mas o Márcio é apreciador da estética e não só das palavras. A sua forma de escrever, que reinventa e respeita alguns dos maiores nomes da literatura Portuguesa, tem a virtude de se adaptar a quase todos os assuntos que despertam a sua atenção.
Conheci o Márcio através do meu marido e logo me apercebi do respeito e até um sentimento de admiração mutua que os une, são daquelas pessoas que gostam de amealhar conhecimento e que só por isso têm algo a dizer sobre muitos assuntos e quando não estão à vontade com algo… Aí estão eles a fazer um trabalho de investigação que os permita construir e fundamentar a sua opinião. Quando li as primeiras coisas escritas pelo Márcio sobre moda, fiquei impressionada, na altura ainda não tinha os conhecimentos que hoje tenho sobre a sua escrita. Ele revela aquela capacidade rara de descrever uma série de coisas que todos nós sentimos, mas que tão poucos conseguem expor de uma forma clara, mordaz, e até satírica. Foi por isso que o desafiei a escrever sobre moda no Raquelprates.pt e felizmente ele fê-lo. É com prazer que aqui o publico, melhor ainda é lê-lo e partilhá-lo. Espero que também sintam a mais valia que estes artigos têm para nós, e não o escondo.
Estejam atentas e atentos, ainda é só o começo. 😉

tumblr_mgk5huQEko1qm3zbto1_1280

Aviso desde já que não funciono em termos de moda. Arrogo-me, no entanto, que entendo um nadita de arte. Como acho que fazer trapos bonitos, novos e vistosos, pode ser uma arte, interesso-me pela coisa. E vai daí, curioso, persistente e vaidoso como sou, não desisti enquanto não percebi de tecidos, padrões, tendências, história das principais casas de alta costura e outras cenas adstritas. E como não sei fazer uma música a olhar para uma blusa ou uma saia, (d)escrevo-as.

Tenho uma amiga que diz e repete que, se eu não fosse jornalista e maledicente, a única coisa que me via a fazer para ganhar a vida era a inventar vestidos de senhora. Acho redutor, porque também sei fazer amêijoas ao natural e encher um depósito de gasolina. Mas compreendo a ideia da moça.

O que é mais estranho em mim, digo eu que ninguém nos ouve, é que, sendo eu manifestamente heterossexual, nem foi por causa das giraças que comecei a olhar para as revistas. Não, eu interesso-me desde a mais tenra idade por roupa. Mesmo. Aqui há uns anos atrás até namorei uma costureira, que não me deixa mentir no que digo.

Apresentado que me acho, todos os anos por esta altura folheio umas cenas que encontro nas tabacarias, antes ou depois de comprar cigarros. Mas, como sou homem para todas as estações, faço o mesmo seis meses antes, quer os cigarros que fumo há quase 40 anos, quer as revistas que vejo vai para quase toda a vida. Hão-de reparar, se ainda não o fizeram em termos, que nos quiosques onde se vende tabaco quase sempre existem revistas, e que nas papelarias que têm revistas quase sempre se vendem cigarros.

No fundo, o que eu sonhava de ser quando fosse grande era jornalista da ‘Marie Claire’. Em tempo de guerra, ia entrevistar as moças curdas guerreiras, quer as bonitas quer as quase feias – não há mulheres feias com uma espingarda a defender os seus e a sua ideia de vida – e no resto do tempo analisava de Valentino a Galliano, de baixo para cima, da frente e de costas. Se ainda me sobrasse ano, podia sempre ir visitar umas fábricas de têxteis caros ou aceitar convites para testar ‘spas’ e carros de senhora.

Sim, porque eu para moda masculina não tenho pachorra. É uma perspectiva egoísta, sei lá! E até algo narcísica e efeminada, confesso. É que quem faz o meu estilo sou eu. Isto por um lado. E, por outro, não me estou a ver a comprar um estampado de flores para oferecer a um amigo, a pensar como lhe ficaria bem se ele fizesse daquilo uma camisa. Nem que ele se chamasse Varoufakis!

Por outro lado, e ao contrário de Jack Nicholson naquele filme ‘As Good As It Gets’, no qual ele faz de escritor doido de novelas meladas e bastamente lidas por senhoras, eu nem quero pensar que para criar um personagem de fêmea tenho de ‘think of a man’ e ‘take away all reason and accountability’. Não, ‘this is not my way’. Eu sou profundamente feminino e feminista e, por isso, para criar o lado mundano e vaidoso que pretendo para mim, tenho de acrescentar aos pêlos do peito uma certa dose de incerteza e ‘galinha da vizinha é melhor que a minha, mas eu chego lá, que aquela vaca não é mais gira que eu!’ Melhor é impossível, acho.

Complexo? Não mais do que um abafo de ‘Comme des Garçons’ que vi outro dia, que deve ter muita saída nos jantares de Estado da Arábia Saudita, mas que para ser burka ainda lhe falta tapar os tornozelos da moça, que é a única coisa, incluindo os olhos, que se vê à mostra quando se contempla aquele repolho disfarçado de candeeiro barroco apagado da Sé Catedral da Moita, perdoem-me os da outra banda, principalmente a do Samouco, que para mim é a que dá mesmo festa à brava!

E não se esqueçam. Seja para a ‘night’ ou para ir à mercearia, vocês são mulheres, certo? Então não vão de pijama nem de alpergatas. O mínimo que se exige é que façam de conta que são a Raquel Prates. É que mais vale uns chinelos de quarto que umas sandálias de quarta! Principalmente à sexta e ao sábado. À noite, em específico. Depois, quando chegarem a casa, calcem lá o chinelo e tirem o ‘Manolo’. Aí sim, já ninguém se importa, nem sequer o tolo que mora convosco na cama, e que se foi bem escolhido só vos quer é rasgar a roupa.

Para a próxima prometo que falo de moda. Eu morra já aqui gaja se não o faço!

Márcio Alves Candoso

Imagem: John Galliano

1 Comment
  1. Caro Márcio Candoso

    Li há pouco um artigo seu que me chegou via mail sobre o Toninho Xavier. Concordo consigo inteiramente e mais teria para caracteriza o personagem, espécie de Conselheiro Acácio a par de muitos outros da actualidade nacional.

    Só não percebo é porque diz que ele pertence à média fidalguia portuguesa. Era isso que ele vos dizia? Mas olhe que não é bem assim.

    Cumprimentos e parabéns pela sua coragem.

    lscm

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>