PERFIL | Adwoa Aboah

Adwoa Caitlin Maria Aboah
25 anos
1,73m
Britânica

Queria ser “como todas as outras raparigas”. Loira, branca, de olhos azuis, sexy. Durante dois anos, usou um chapéu na cabeça, todos os dias. Porquê? Porque as tais “todas as outras raparigas” tinham o cabelo esticado, ao contrário dela, que o tinha encaracolado. Auto-estima? Baixa ou nenhuma.

Nascer triste. Se é possível? Adwoa diz que sim, que foi assim que nasceu. Não se lembra de sentir qualquer tipo de emoção. Nada a movia. Aos 14 anos, na sua festa de anos, passou a noite alcoolizada. E foi aí. Sentiu alguma coisa. Bastaram poucos meses para chegar até aos tranquilizantes para cavalos. Uma droga que a arrastou, não sabe bem para onde.
Sozinha, no quarto, todos os dias cedia às amarras do vício animal.

“If you don’t like to be in your skin, it doesn’t matter how many times they say your beautiful or how many jobs you get”.

 

Em 2014, a modelo que é disputada por marcas como Dior, Chanel, Marc Jacobs, Coach, Versace, Topshop e Gap, tentou suicidar-se por meio de uma overdose. “Estava completamente perdida e tinha a sensação de que vivia a vida de uma outra pessoa”.
Foram três clínicas de reabilitação diferentes. Um trabalho intenso na luta contra dos impulsos auto-destrutivos. Nas sessões, os grupos onde estava inserida eram constituídos unicamente por mulheres. Falava-se do que se tinha vergonha, do que não se conseguia dizer a ninguém, nem a elas próprias. Falava-se de tudo, sem represálias.
Adwoa descobriu o poder da fala. A cura. E foi assim que surgiu o Gurls Talk.

Esta plataforma online, criada por Adwoa, serve para que jovens de todo o mundo possam contar as suas histórias. Um espaço para serem ouvidas, compreendidas e ajudadas. Temas como relação com o corpo, feminismo, dependências, inseguranças, são assuntos discutidos dentro do site e nas redes sociais.

“Com o Gurls Talk quis fazer com que mulheres pudessem passar tempo com mulheres. Quis criar um espaço de inspiração”, assume Adwoa.
Fazer bem aos outros foi a maneira que encontrou para fazer bem a si mesma e de encontrar, finalmente, uma razão.

Concluo: ainda bem que continuou por cá.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.